A morte como um ritual dos vivos. Emoções, deslocamentos, influência médica e processos de higienização

  • Magda Luíza Mascarello UFPR.
Palavras-chave: Morte, Rituais fúnebres, Emoções, Medicalização.

Resumo

Este artigo é resultado de uma pesquisa, cujo objetivo foi o de identificar as representações sobre a morte e seus rituais que circulam em nossa sociedade e os significados que se mobilizam nesse processo. Para isso, foram utilizados os mecanismos de marketing e comercialização de objetos fúnebres em funerárias da região central de Curitiba/PR e a etnografia de um velório. A morte é compreendida como um ritual que condensa simultaneamente a separação, a passagem e a agregação. O estudo revela como os significados, que emergem desses rituais, foram se transformando ao longo da história das sociedades ocidentais, passando por importantes processos de medicalização e, inclusive de higienização, que agora são mobilizados e comercializados pelas funerárias. Esses processos incidiram diretamente na forma como as pessoas expressam seus sentimentos frente à morte de alguém e à inevitabilidade de seu próprio morrer, bem como na maneira de organizar e compreender os cerimoniais fúnebres. Estas transformações estabelecem novos significados para as noções de público e privado, redefinindo suas fronteiras e constituindo novas configurações semânticas sobre a morte.

Abstract: This article is the result of a piece of research the objective of which was to identify the representations about death and its rituals that circulate in our society and the meanings that are mobilized in this process. For this purpose, we used the marketing and commercialization mechanisms surrounding funereal objects in undertakers in the central region of Curitiba/Paraná and the ethnography of a wake ceremony. Death is understood as a ritual that condenses separation, passage and aggregation simultaneously. The study reveals how the meanings that emerge from these rites gradually changed along the history of the Western societies, going through important medicalization processes, (including hygiene) that are now mobilized and commercialized by the undertakers. These processes influenced directly the way people express their feelings when confronted with someone’s death and the inevitability of their own dying, as well as the way they organize and understand the funereal ceremonies. These changes established new meanings for the notions of public and private, redefining their borders and developing new semantic configurations about death.

Keywords: Death. Funereal rites. Emotions. Medicalization.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magda Luíza Mascarello, UFPR.
Cursa mestrado em Antropologia na UFPR.

Referências

CENTRAL DE LUTOS CURITIBA, disponível em: - acesso em 06 jun. 2010.

FUNERÁRIA CLÁSSICA, disponível em: <http://www.funeraria classica.com> - acesso em 06 jun. 2010.

FUNERÁRIA CRISTÓVÃO, disponível em : <http://www.funerarias cristovao.com.br> - acesso em 06 jun. 2010.

FUNERÁRIA PERPÉTUO SOCORRO, disponível em: - acesso em 06 jun. 2010.

FUNERÁRIA SP, disponível em: <http://www.empresafunerariasp. com.br> - acesso em 06 jun. 2010.

FUNERÁRIA STA MADALENA, disponível em: <http://www.santa madalena.com.br> - acesso em 06 jun. 2010.

FUNERÁRIA VATICANO, disponível em <http://www.funeraria vaticano.com.br>. - acesso em 06 jun. 2010.

FUNERÁRIAS BOM PASTOR, disponível em: <http://www.grupo bompastor.com.br> - acesso em 06 jun. 2010.

UNILUTUS CURITIBA, disponível em: <http://www.unilutus.com.

br> - acesso em 06 jun. 2010.

Referências bibliográficas

DA MATTA, Roberto, Introdução, em: VAN GENNEP, Arnold, Os

Ritos de Passagem, Vozes, Petrópolis 1978.

DAWSEY, John, Turner, Benjamin e a antropologia da Performance – O lugar olhado (e ouvido) das coisas, em: Revista Campos 2/6 (2006) 17-25.

DE CERTEAU, Michael, A invenção do Cotidiano: Artes de fazer, Vozes, Petrópolis 2007 (1990).

ELIAS, Norbert, A solidão dos moribundos, Jorge Zahar, Rio de Janeiro 2001 (1897, 1990).

FOUCAULT, Michel, De outros espaços, 1998 (1967, 1984), disponível em www.virose.pt/vector/periferia/foucault_pt.html - acesso em 09 jun. 2010.

FREIRE, Milena Carvalho Bezerra, Isolamento e sociabilidade no luto: a formação de redes sociais no ambiente cemiteral, em: Revista Redes, disponível em http://revista-redes.rediris.es/webredes/arsrosario/ 01-Freire.pdf – acesso em 09 jun.2010.

KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro, Sociologia da emoção – o Brasil urbano sob a ótica do luto, Vozes, Petrópolis 2003.

MAFESSOLI, Michel, Teatralização da vida cotidiana, em: MAFFESOLI, Michel, A conquista do presente, Rocco, Rio de Janeiro 1984 (1979), p. 131-144.

MARTINS, José de Souza (org.), A morte e os mortos na sociedade brasileira, Hucitec, São Paulo 1983.

MAUSS, Marcel, A expressão obrigatória dos sentimentos; Sobre “as saudações pelos risos e pelas lágrimas”; Alocução à sociedade de Psicologia, em: ID., Ensaios de sociologia, Perspectiva, São Paulo 1999 (1921; 1923; 1923), p. 325-335.

REIS, João José, Civilizar os costumes. (I): a medicalização da morte; Civilizar os costumes. (II): a morte legislada, em: REIS, João José, A morte é uma festa – Ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX, Companhia das Letras, São Paulo 1999 (1952), p. 247-291.

RODRIGUES, José Carlos, Tabu da morte, FIOCRUZ, Rio de Janeiro 2006.

TURNER, Victor, Dramas sociais e metáforas rituais, em: TURNER, Victor, Dramas, campos e metáforas – Ação simbólica na sociedade humana, EDUFF, Niterói 2008 (1974), p. 19-53.

TURNER, Victor, Símbolos no ritual Ndembu, em: TURNER, Vic-

tor, A Floresta dos símbolos – Aspectos do Ritual Ndembu, EdUFF, Rio de Janeiro 2005, p. 49-82.

VAN GENNEP, Arnold, Classificação dos ritos e rituais de passagem, em: ID., Os ritos de passagem, Vozes, Petrópolis 1978.

Publicado
2013-10-24
Como Citar
Mascarello, M. L. (2013). A morte como um ritual dos vivos. Emoções, deslocamentos, influência médica e processos de higienização. Revista Eclesiástica Brasileira, 73(290), 342-363. https://doi.org/10.29386/reb.v73i290.651