Trajetória e pensamento intelectual de professoras da PUC-Rio. Representantes de uma geração de Teólogas Feministas

  • Neiva Furlin UFPR
Palavras-chave: Geração, Teólogas feministas, Pensamento intelectual, Sociologia do conhecimento

Resumo

Com este trabalho pretende-se analisar os aspectos da trajetória socioeclesial no tempo existencial, histórico e social de três teólogas e professoras da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), que integram o grupo das pioneiras no Brasil a produzir teologia por perspectivas feministas e pelas abordagens dos estudos de gênero. Analisam-se, de maneira articulada, os elementos da trajetória dessas mulheres que fazem delas representantes da geração de teólogas feministas. Os dados empíricos deste estudo foram coletados por meio de pesquisa bibliográfica e entrevistas, no decorrer do ano de 2009, e são analisados à luz da teoria sobre o problema das gerações, do sociólogo Karl Mannheim.

Abstract: This article is part of the set of studies of the sociology of knowledge. It analyses aspects of the performance of three theologians and teachers at Pontifical Catholic University of Rio de Janeiro (PUC-Rio), among the pioneer women in Brazil who produced a theology according to the Feminist perspective and the approach of Gender Studies. It seeks to verify elements of these women’s curriculum and performance which make them representatives of their generationof feminist theologians. The empirical data of this study were collected through bibliographical research and elaborated interviews during the year of 2009, and are analyzed in the light of the generation problems theory of Karl Mannheim (sociologist).

Keywords: Generation. Feminist theologians. Intellectual thinking. Sociology of knowledge.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neiva Furlin, UFPR
Doutora em Sociologia pela UFPR (2014), com doutorado sanduíche pelo Centro de Investigaciones Interdisciplinarias en Ciencias y Humanidades (CEIICH) da Universidade Nacional Autónoma de México (UNAM) (2012). É membro do Núcleo Interdisciplinar de Estudos de Gênero da UFPR. Tal discussão é parte dos dados levantados para a pesquisa de tese financiada com recursos da CAPES e REUNI.

Referências

AQUINO, Maria Pilar. A teologia, a Igreja e a mulher na América Latina. São Paulo: Edições Paulinas, 1997.

AZCUY, Virginia R./MAZZINI, M. Marcela/RAIMOND, Nancy V. (Orgs.). Antología de textos de autoras en América Latina, Caribe y Estados Unidos. Buenos Aires: Ed. San Pablo, 2008.

BACH, Ana María. Las voces de la experiencia: el viraje de la filosofía feminista. Buenos Aires: Editora Biblos, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas. Campinas: Papirus, 2003.

DEIFELT, Wanda. Temas e metodologias da teologia feminista. In: SOTER (org.). Gênero e teologia: interpretações e perspectivas. São Paulo: Edições Loyola, 2003, p. 171-186.

FURLIN, Neiva. Teologia e gênero: a docência feminina em instituições católicas. Revista Eclesiástica Brasileira, Petrópolis, v. 71, n. 284, p. 880-910, out. 2011 [a].

______. Teologia Feminista: uma voz que emerge nas margens do discurso teológico hegemônico. Revista de Estudos da Religião, São Paulo, ano 11, n. 01, p.139-164, jan./jun. 2011 [b].

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia de gênero. In: HOLANDA, Eloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

LLANOS, Gabriela Castellano. Decidimos, hacemos, somos: discurso, identidades de género y sexualidades. Cali, Colombia: Universidad del Vale, 2010.

MACEDO, Ana Gabriela; AMARAL, Ana Luísa. Dicionário da Crítica Feminista. Lisboa: Edições Afrontamento, 2005.

MANNHEIM, Karl. “O problema das Gerações”. In: ______. Sociologia do Conhecimento. Vol. II. Porto: Rés-Editora, [1928] 1964, p. 115-176.

______. O problema sociológico das Gerações. In: FORACCHI, Marialice Menvcarini (Org). Karl Mannheim: Sociologia. São Paulo: Ática, 1982, p. 67-95.

______. O problema da “intelligentsia”: um estudo de seu papel no passado e no presente. In: ______. Sociologia da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1974, p. 69-139.

MOTTA, Alda Brito da. Gênero, idades e gerações: introdução. Caderno CRH, Salvador, v.17, n. 42, p. 349-355, set./dez., 2004.

ROHDEN, Fabíola. Feminismo do Sagrado: o dilema igualdade/diferença na perspectiva de teólogas católicas, 1995, 199 f. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1995.

ROSADO, Maria José. De mulheres e de deuses. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, CIEC/ECO/UFRJ, v. 0, n. 0, p. 5-30, 1992.

SANTOS, Boaventura Souza de. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

WELLER, Vivian. Karl Mannheim: um pioneiro da sociologia da juventude. In: Congresso Brasileiro de Sociologia. Recife: UFPE, 2007. Disponível em: <http://www.fae.ufmg.br/objuventude/textos/SBS2007%20- %20mannheim%20WIVIAN%20WELLE.pdf>. Acesso em: 20 jul.

Publicado
2014-10-18
Como Citar
Furlin, N. (2014). Trajetória e pensamento intelectual de professoras da PUC-Rio. Representantes de uma geração de Teólogas Feministas. Revista Eclesiástica Brasileira, 74(295), 624-652. https://doi.org/10.29386/reb.v74i295.485