Autonomia e relacionalidade na reprodução humana. Perspectivas críticas de bioética

Maria Emilia de Oliveira Schpallir Silva, Márcio Fabri dos Anjos, Alfredo Antonio Fernandes

Resumo


Síntese: Este estudo de Bioética analisa a tendência hodierna de se considerar a reprodução humana como um ato de decisão exclusiva da autonomia da mulher gestante. Usando o método hermenêutico interdisciplinar da Bioética e através de levantamento bibliográfico para suas fundamentações, examina o lugar antropológico da relacionalidade interativa entre diferentes sujeitos na reprodução humana. Conclui que a ética na reprodução humana, além da importante interação com a autonomia da mulher gestante, deva se fundamentar também em critérios advindos da relacionalidade entre outros sujeitos que interagem em tal reprodução.

Palavras-chave: Reprodução humana. Bioética. Autonomia. Relacionalidade.

Abstract: This study of Bioethics analyzes the current tendency to consider human reproduction as an exclusive decision-making act of the pregnant woman’s autonomy. Using the interdisciplinary hermeneutic method of Bioethics and through a bibliographical survey for its foundations, it examines the anthropological place of interactive relationality between different subjects in human reproduction. It concludes that ethics in human reproduction, in addition to the important interaction with the autonomy of pregnant women, should also be based on criteria derived from relationality among other subjects that interact in such reproduction.
Keywords: Human reproduction. Bioethics. Autonomy. Relationality.

Palavras-chave


Reprodução humana; Bioética; Autonomia; Relacionalidade

Texto completo:

PDF

Referências


BOZON, M. Sociologia da sexualidade. São Paulo: Editora FGV, 2004. 170 p.

FOUCAUL, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014. 175 p.

HIB, J. Embriologia Médica. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2006. 263 p.

JONAS, H. O princípio responsabilidade. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006. 354 p.

_______. O princípio vida. Rio de Janeiro: Vozes, 2004. 278 p.

KANT, I. Crítica da razão prática. São Paulo: Martin Claret, 2005. 636 p. KORF, B.R. Genética Humana e Genômica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 257 p.

LEVINAS, E. “Entre nós”. 5. Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2010a. 272 p.

_______. “Ética e infinito”. Lisboa: Editora 70, 2010b. 103 p.

_______. “Totalidade e infinito”. 3. Ed. Lisboa: Editora 70, 2008. 309 p.

MATURANA, H.; REZEPKA, S.N. de. El sentido de lo humano. 8. ed. Santiago de Chile: Domen Ediciones, 1996. 315 p.

MATURANA, H.; REZEPKA, S.N. de. Formação Humana e Capacitação. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. 86 p.

MOORE, K.L.; PERSAUD, T.V.N. Embriologia Clínica. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. 536 p.

MOORE, K.L.; PERSAUD, T.V.N., TORCHIA, M.G. Embriologia

Clínica. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. 540 p.

PERROT M. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2015. 190 p.

SILVA, M.E. de O.S. Inicio da Vida. Um estudo de tendências paradigmáticas. 2013. 143f. Dissertação de Mestrado em Bioética. Centro Universitário São Camilo, São Paulo, 2013.

STRACHAN, T.; READ, A. Human molecular genetics. 4. ed. New York: Garland Science Publication, 2010. 740 p.

TEDESCHI, L.A. Historia das mulheres e as representações do feminino.

São Paulo: Curt Nimuendajú, 2008. 143 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.29386/reb.v77i307.49

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Eclesiástica Brasileira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Instituto Teológico Franciscano
Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil