O que aprendemos literariamente com O Código da Vinci de Dan Brown ou com a Literatura?

Vinicius Mariano de Carvalho

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR E SILVA, Victor Manuel, Teoria da literatura, Martins Fontes, Rio

de Janeiro 1976.

BÁEZ, Fernando, História universal da destruição dos livros. Das tábuas sumérias à guerra do Iraque, Ediouro, Rio de Janeiro 2006.

BRADBURY, M. & MCFARLANE, J., Modernismo: guia geral, Companhia

das Letras, São Paulo 1989.

BROWN, Dan, O Código da Vinci, Sextante, Rio de Janeiro 2004.

CALVINO, Ítalo, Por que ler os clássicos, Companhia das Letras, São Paulo 1993.

ECO, Umberto, O nome da rosa, Record, Rio de Janeiro 1986.

______, Pós-escrito a O nome da rosa, 4ª ed., Nova Fronteira, Rio de Janeiro 1985.

GAARDER, Jostein, Vita Brevis – a carta de Flória Emília para Aurélio Agostinho, Companhia das Letras, São Paulo 1997.

OZ, Amós, Contra o fanatismo, Ediouro, Rio de Janeiro 2004.

PINSKY, J./PINSKY, C.B., Faces do fanatismo, Contexto, São Paulo 2004.

QUINTANA, Mário, Lili inventa o mundo, Mercado Aberto, Porto Alegre

RUSHDIE, Salman, Os versos satânicos, Companhia das Letras, São Paulo 1998.

RYKEN, Leland, How to Read the Bible as Literature, Zondervan, Grand Rapids 1984.

______,/LONGMAN III, Tremper (eds.), A Complete Literary Guide to the Bible, Zondervan, Grand Rapids 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.29386/reb.v67i266.1532

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Eclesiástica Brasileira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Instituto Teológico Franciscano
Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil