A controvérsia dos “sem religião” no Brasil: pluralismo religioso ou monoculturalismo cristão?

José Reinaldo Felipe Martins Filho

Resumo


Neste texto são apontados elementos críticos atinentes ao pluralismo religioso brasileiro, da mesma maneira que relativos à abrangência e validade do conceito “sem religião” como possibilidade interpretativa para o novo fenômeno que se acena – mormente, desde o Censo de 2010. Para isso, retomamos brevemente o contexto social atual na tentativa de estabelecer uma ponte interpretativa entre o surgimento dos “sem religião” como desdobramento da emancipação individual operada ao longo dos últimos quatro séculos – o que supõe sua parcela de pertencimento na crise cultural, intelectual e política derivada deste contexto – e, ao mesmo tempo, os limites deste conceito frente à hipótese de que por debaixo do aparente pluralismo religioso resta no Brasil a manutenção de uma constante com ênfase para o cristianismo.

 

Abstract: In this text, critical elements related to Brazilian religious pluralism are pointed out, as well as concerning the comprehensiveness and validity of the concept “without religion” as an interpretative possibility for the new phenomenon that has beckoned since the 2010 Census. For this, we briefly return to the current social context in an attempt to establish an interpretive bridge between the emergence of the “ without religion” as an unfolding of individual emancipation over the last four centuries – which implies its share of membership in the cultural, of this context – and, at the same time, the limits of this concept to the hypothesis that underneath the apparent religious pluralism remains in Brazil the maintenance of a constant with emphasis for Christianity.

Keywords: Without religion; Religious pluralismo; Christianity; Brazil.


Palavras-chave


Sem religião; Pluralismo religioso; Cristianismo; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, A. Confissões. Trad. de Maria Luiza Jardim Amarante. 26. ed. São Paulo: Paulus, 2015.

BARRETO, T. Ponto de vista religioso. A Cultura Acadêmica, Recife, v. 1, n. 1, p. 3-18, jul-ago, 1904.

BERGER, P.L. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. Trad. de José Carlos Barcellos. São Paulo: Paulinas, 1985 (Coleção sociologia e religião, 2).

BITTENCOURT FILHO, J. Matriz religiosa brasileira. Petrópolis: Vozes, 2003.

BOEHNER, Ph.; GILSON, É. História da Filosofia Cristã. Trad. de Raimundo Vier. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 1970.

CANCLINI, N.G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Trad. de Heloísa Pezza Cintrão, Ana Regina Lessa; trad. da introdução de Gênese Andrade, 4. ed., 5. reimp. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011 (Ensaios Latino-americanos, 1).

CORBÍ, M. Hacia una espiritualidad laica: sin creencias, sin religiones, sin dioses. Barcelona: Herder, 2007.

ECCO, C.; MARTINS FILHO, J.R.F. Culturas e ateísmos contemporâneos. Mosaico, Goiânia, v. 10, n. 2, p. 265-276, 2017.

FRANKL, V.E. Em busca de sentido. Petrópolis: Vozes, 2017.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

HEIDEGGER, M. Bauen, Wohnen, Denken. In. ID. Vortäge und Aufsätze. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 2000 (Gesamtausgabe: Band 7).

LEMOS, C.T.; SOUSA, I.F.; MARTINS FILHO, J.R.F. (Org.). Ju-

ventude e religiosidade: o caso de jovens universitários. São Paulo: Fonte Editorial, 2018.

PAIM, A. História das ideias filosóficas no Brasil. São Paulo: Convívio, 1984.

NIETZSCHE, F. Genealogia da Moral. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.29386/reb.v79i314.1908

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Eclesiástica Brasileira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Instituto Teológico Franciscano
Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil